Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Smiles & Tears

Guia de sobrevivência para mulheres fantásticas

Smiles & Tears

Guia de sobrevivência para mulheres fantásticas

Miminhos à mesa de Natal

12395538_1084594644893135_1953869815_n[1].jpg

 

 

Hoje foi dia de manualidades, cartolinas, cola, tesouras, fios, bom-bons e afectos.

Começámos por fazer pequenos cartões onde desenhámos motivos de Natal e escrevemos palavras que, para nós, de alguma forma significam Natal.

E para que servem, perguntam vocês ? Aqui vai uma pista .......

12395160_1084594598226473_1433925419_n[1].jpg

 

Já adivinharam ? Não? Pronto, eu conto. Estes cartões fofinhos juntam-se a um bom-bom e, juntos, vão para dentro daquele embrulhinho (atrás) que fizemos com cartolina e guardanapos com motivos de Natal.

Para que servem ? Vamos usá-los na mesa de Natal. Coloca-se um embrulhinho tipo rebuçado em cima de cada um dos pratos. Antes de começar a refeição cada um abre o seu rebuçado e recebe um bom-bom e uma linda mensagem ... Boa ideia, não achas ?

É muito fácil de fazer, passamos tempo com quem gostamos, a fazer coisas para quem gostamos e a falar de coisas que realmente importam ... alegria, esperança, harmonia, paz, bondade, ....

Fizemos um montão deles. Ficaram assim, gostam ?

10653968_1084594514893148_318205848_n[1].jpg

 

 

Bolachas de canela, gengibre e amor ...

10421461_895398357146099_4384254199633894114_n[1].

 

Já se começam a agendar as "tardadas" na cozinha ! Farinha pelo ar e pelo chão. Mãos pegajosas. Sorrisos francos. Narizes enfarinhados. Risadas infantis. Ralhetes gigantescos. De tudo isto é feito o Natal.

Para quem tem um tempinho para "tardadas" na cozinha, aqui vai a sugestão de bolachinhas de canela e gengibre, decoradas com glacê. Para oferecer aos amigos, ou simplesmente para saborear em frente à lareira, são garantia de uma tarde divertida.

Beijinhos !!

Prendas daquelas que tu fazes com as tuas mãos ....

bolsa.jpg

 

E ainda dizem por aí (quem não tem mais nada com que se ocupar) que as novas gerações estão perdidas ! Eu cá por mim não concordo. E num misto de tristeza e orgulho vejo, por vezes, gerações bem mais novas a darem verdadeiras lições.

Num destes dias, a minha filha, que tem 11 anos, disse-me assim: " - Mãe, apetecia-me tanto dar uma prenda à minha amiga ."

" - Está bem. Então e o que lhe queres comprar?" - perguntei-lhe eu.

Eis que recebi uma resposta que é, também, um ensinamento : " - Nada, não lhe quero comprar nada. Não quero dessas prendas. Quero uma daquelas que têm valor. Uma das que tu fazes com as tuas mãos."

Peguei na lã, nas agulhas e no coração e fiz esta bolsinha para guardar o cartão da escola.

A minha filha tem ou não tem razão ? Não tem mais valor assim ?

Estamos de regresso à escola !!!

escol.jpg

 Estamos de regresso à escola! Estamos é como quem diz ... estão os pirralhos cá de casa. Mas parece que, quando os filhos regressam à escola, os pais vão um bocadinho com eles. Vão na mochila cuidadosamente organizada ( com a ajuda dos pais), vão na lancheira preparada com carinho, vão dentro dos ouvidos dos filhos, entupidos de tantas recomendações. Mas ainda bem que assim é ....

Eu cá por mim, hoje, estou mesmo contente ! Os meus filhos já regressaram das aulas, de escolas e anos diferentes, e a opinião relativamente ao primeiro dia de aulas é, este ano, unânime : os meus professores este anos são mesmo fixes !!

Diz-se que a primeira impressão é muito importante !! Por isso, creio que se avizinha um ano lectivo cheio de sucessos (na aprendizagem, nas amizades, nas notas, na felicidade de ir para a escola) !!

Bom ano lectivo para todos

Cozinhando afectos ....

bolacha.png

 

Olá !!

E porque os afectos também se cozinham, hoje amassámos:

125 g de chocolate de cozinha Pantagruel

80 g de açúcar

80 g de margarina vegetal para culinária Vaqueiro

Depois estendemos a massa com um rolo e fizemos bolachinhas em forma de coração (cerca de 40). Cozeram cerca de 15 minutos no forno a 180ºC e já está !

Pouco tempo, pouco trabalho, pouca louça suja e ..... muita traquinice, alegria, sabor e afectos.

Beijinhos doces !!

Estraga-los com mimos !

panda.png

Qual é a mãe que já não ouviu este "sábio" conselho ? "Estraga-los com mimos!" Pois bem, eu sempre fui da opinião que o que "estraga" as crianças não é o excesso de mimos, mas sim a falta de educação .... e a falta de mimos, também.

Hoje li as declarações do pediatra Mário Cordeiro à revista Pais&filhos/TSF, das quais gostei muito e que partilho aqui convosco http://www.paisefilhos.pt/index.php/video/7865-qnao-ha-mimo-a-maisq-.

Diz-nos o Sr. Dr. Mário Cordeiro que “O mimo é a expressão desinteressada do afecto e do amor, por isso não acredito no mimo a mais! "

Eu também não ! O que acontece, por vezes, é que os pais (e terão as suas razões para isso) confundem mimos com prendas e isso, por vezes, dá mau resultado ...

Não pretendo opinar sobre a forma que cada um escolheu para educar os seus filhos. Educar é, talvez, a tarefa mais difícil que um ser humano pode ter entre mãos. Até porque os pais são seres humanos, cada um com vivências diferentes, com uma infância mais ou menos feliz, com uma vida mais ou menos feliz ...

Mas, apesar de tudo, continuo a achar que o mimo nunca é demais. Seja aquele que se dá aos filhos, ao marido, à família, aos amigos e a nós próprios.

Correndo o risco de ser exagerada, acho, até, que o mimo é a panaceia, não para todos, mas para muitos males !!

A técnica do abraço ....

Queridas amigas .... não posso deixar de partilhar convosco este artigo O segredo é abraçar (...) da Revista Pais&filhos, bem como a minha (humilde) experiência. Enquanto mãe de um adolescente e de uma quase quase adolescente tenho adoptado a "técnica do abraço". Mesmo quando me apetece usar a técnica do grito, e a do castigo e enfim ... outra qualquer. E uso-a por duas razões : porque o meu coração assim mo indica ( e eu sigo quase sempre o meu coração) e porque tem resultado !! Abraço-lhes o corpo e abraço-lhes a alma ... E quando eles não querem ( ou não admitem que querem) deixo que os meus braços os sigam ... para serem usados sempre que os meus filhos precisem, ou quiserem, ou lhes apetecer ...