Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Smiles & Tears

Guia de sobrevivência para mulheres fantásticas

Smiles & Tears

Guia de sobrevivência para mulheres fantásticas

Sou rafeira, não tenho pedigree ....

lovely-picture-3[1].jpg

 

 

Desde cedo, o impossível foi suprimido ao meu já parco dicionário de criança.

Sendo bisneta de um invisual que criou cinco filhos, e filha de um pai portador de deficiências congénitas, com uma carreira muito bem sucedida na Administração Fiscal, depressa aprendi, pelo exemplo, que as dificuldades estão dentro de nós. Aprendi que, se nas nossas entranhas existir a vontade de fazer ou de alcançar algo, acontecem milagres.

E na minha inocência infantil, eu tinha a certeza de que todos tínhamos as mesmas oportunidades e que ninguém ligava ao supérfluo. Que só contava o carácter. Até porque lá em casa, no Natal, davam-se presentes aos senhores que recolhiam o lixo. E o senhor que tratava do jardim almoçava na sala connosco.

E era óptimo, porque o meu grupo de amigos era o mais heterogéneo que se possa imaginar. Ora, pois, o que interessava era mesmo se eram meus amigos, e eu deles.

Mais tarde, mesmo muito mais tarde, percebi que no mundo dos adultos nem sempre é assim. Dura aprendizagem. Mostraram-me que há quem pense que, tal como os cães, os homens e mulheres podem ter pedigree. Este pedigree não tem que ver com o tipo de pelo, focinho comprido ou achatado, orelhas caídas ou espetadas..... Tive dificuldade em assimilar o conceito de pedigree humano. Depois percebi. Depois de me fazerem sentir o que é não ter pedigree, percebi que o pedigree é mais ou menos um certificado de qualidade. Assim, o pedigree garante a qualidade da pessoa sem necessidade que ela se mostre, tipo qualidade certificada inquestionável.

Por comparação, para mim o pedigree humano funciona mais ou menos como as embalagens comerciais bonitas, estilizadas, de uma opacidade escura. Deste modo, o consumidor compra, mas só conhece o conteúdo depois de abrir a embalagem.

Fiquei confusa com esta realidade. Eu que sempre fui espontânea e transparente, demais, talvez. Mas para que queria eu uma embalagem opaca? Não tinha nada a esconder !! Mais a mais, essa minha transparência nunca me impediu de atingir as minhas metas, fui aluna de excelência, recebi prémios de mérito, ....

Então, orgulhosa da simplicidade dos meus dias, das minhas amizades e dos meus amores, gritei alto, tão alto quanto a voz me deixou : " Sou rafeira, não tenho pedigree !! ".