Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Smiles & Tears

Guia de sobrevivência para mulheres fantásticas

Smiles & Tears

Guia de sobrevivência para mulheres fantásticas

A doce tarefa de ser mãe ..

mãe.png

 

Passou mais de uma semana (ou duas) desde o meu último post. A falta de tempo e o cansaço acumulado de um ano lectivo são os responsáveis. Ano lectivo ? Pois, as mães também têm ano lectivo ! Os meus filhos andam na mesma escola mas em anos lectivos diferentes, horários diferentes, actividades diferentes o que, por si só, constitui uma canseira. Há dias em que tenho de ir à escola 4 vezes : leva um, traz outro, dá almoço, leva outro, traz outra vez ... mas é TÃO BOM. Pronto, está aberta a polémica ! Entram as vozes de quem gosta de dar palpites sobre a educação dos filhos dos outros, mas que nunca estão presentes quando são necessárias. Em tempos idos foram para mim vozes audíveis, agora são apenas ruído de fundo. "Não lhes dês colo que os habituas mal", "Dás-lhe tantos abraços que os pões moles", "Não prejudiques a teu trabalho pelos filhos, um dia vão-se embora ...", "Não vais ao ginásio para ficares a brincar com as crianças ?!" e coisinhas do género.

Um dia, peguei num livro do Prof. Eduardo Sá e tive uma epifania !! Afinal há alguém que pensa como eu ! Aleluia!! E ainda por cima é especialista ... afinal sou uma boa mãe !! E foi nesse dia que decidi que a única voz que guiaria a minha relação com os meus filhos seria a do meu coração ... esse sim, tem-me dado bons conselhos. E minhas queridas colegas (nesta actividade de ser mãe) não faz mal dar colo, nem beijos, nem abraços .... Não faz mal os filhos virem para a cama dos pais quando têm medo ou quando, simplesmente, precisam de um aconchego. Não faz mal a mãe faltar ao ginásio, deixar a louça por lavar ou deixar o quarto desarrumado para ficar a brincar com os seus filhos. E garanto-vos que isto não os estraga ! Há um risco que se corre : podem ficar crianças doces e tolerantes e adolescentes naturalmente rebeldes (para esconder o mel que lhe vai na alma). Mas parece-me que vale a pena o risco ! Até porque é de duração limitada e um dia, mais próximo do que parece, eles vão à sua vida e vou ter tempo de sobra para lavar a louça, arrumar o quarto, ir ao ginásio, etc..... Por ora faço o que faz mesmo feliz !